Perder-te não estava nos meus planos - 21ºParte

A noite já estava a chegar, pela janela dos corredores do hospital via-se a lua a posicionar-se no seu lugar do céu estrelado.
Praticamente durante dois dias, a única coisa que vi foram paredes brancas, enfermeiras e cafés para não me deixar adormecer. Decidi então dar um pulinho ao pátio do hospital. Precisava de respirar ar da rua, e não um ar que por si só é doente. Sentei-me num banquinho que rodeava o repucho lá do pátio e se me perguntares o que é que lá fui fazer, é um boa pergunta mas também não sei responder. Fui lá mesmo fazer o 'nada'. Sabes quando estamos num sitio e pensamos em tudo, mas no fundo não pensamos em nada? Pronto era como eu estava, mas fez-me bem. Por momentos desliguei-me que estava num hospital e que estava ali por ti.
Começou a arrefecer,entrei outra vez lá para dentro e fui de encontro com a Joana e com a tua mãe.
'Atão' onde é que te meteste?'
'Fui lá fora Joana.'
'Fazer?'
'Não sei bem.'
'Ah tá bem. Olha a tua mãe ligou-me, já que ficaste sem bateria, e disse que não tarda nada está aí.'
'Boa, obrigada. Olha lá não queres ir para casa?'
'Óbvio que quero não vejo a minha cama há uns dias, mas vou ficar cá contigo.'
'Oh tão querida que ela está, obrigada Joana.'
'Olha lá, quando é que o Duda tem alta?'
'Pois não sei, espero que seja para breve.'
'Hoje já não nos devem dizer nada, amanhã de manhã vamos saber noticias.'
'É isso mesmo Joaninha! Olha a minha mãe!'
Lá ao fundo do corredor aproximava-se a minha mãe, fui então ter com ela.
'Olá mami'
'Filha, então como é que estás? E o Duarte?'
'Estamos bem, quer dizer estou melhor que ele como deves calcular, mas ele já está quase bom!'
'Ai ainda bem. Então e a Ana como é que está?'
'Olha a Dona Ana também está bem, mas por acaso não sei onde é que ela anda agora.'
'Queria dar-lhe um beijinho, mas pronto paciência.'
'Eu dou por ti.'
'Desculpa lá só ter vindo agora, mas tenho andado a fazer turnos e não deu mesmo.'
'Não te preocupes mami, o que interessa é que vieste.' E dito isto abraço-a com força.
'Olha princesa, a mãe tem de ir embora agora, vou entrar à meia noite e meia..'
'Está bem mami.'
'Vai mandando sms do telemóvel da Joana a contar as novidades, sim?'
'Sim mãe não te preocupes. Vá vai lá.'
'Adeus filha. Até manhã.'
Pronto quando se foi embora, voltei para ao pé da Joana. Quando lá cheguei estava lá a Dona Ana.
'Querida, a Joana acabou de me dizer que a tua mãe esteve cá!'
'Sim sim, foi-se agorinha embora, mandou-lhe um beijinho.'
'Obrigada, manda-lhe tu outro.'
'Estou super cansada, acho que me vou encostar ali na sala de espera.'
'Boa ideia Joana,vamos as três que estamos a precisar de descançar.'
Bem como já não iamos ter mais novidades, fomos mesmo para a sala de espera descançar um pouco. Quer dizer pensamos nós, porque assim que fechamos os olhos foi até de manhã.

Bem, o dia surgiu. Não, não acordamos com o cantar dos galos mas sim com uma enfermeira a querer dizer-nos qualquer coisa.
'Bom dia, peço desculpa por as estar a acordar mas ali da recepção disseram que são as familiares do Duarte Silva.'
'Sim sim, somos nós.' Disse rapidamente a tua mãe.
'Aconteceu alguma coisa?' Insisti eu.
(...)

2 comentários:

Anónimo disse...

obg linda, adorei o blog :)
nao te consigo seguir, ando com problemas no blog xs desculpa...
http://sunshine-joanaf.blogspot.com/

Sara'C disse...

Amei :D