O meu peito está a arder mas ao mesmo tempo está vazio, sinto um aperto, um aperto que arde, que magoa, que consome lentamente o meu vazio interior. Confuso não? Mas até hoje não sabia que a saudade doía, que sortuda que era. Fui tendo umas experiências mas nada me preparou para isto que estou a sentir neste momento, nada se compara. As saudades que senti eram boas, porque sabia que mais tarde ou mais cedo iam ser compensadas, iam ser repostas, iam ficar amenas. Verdade seja dita, mesmo que estivesse contigo tinha saudades porque sabia que ia acabar..mas ia acabar naquele dia, no dia seguinte voltavas, e se não fosse no dia seguinte, era no outro, mas agora...agora não vais voltar, não vais voltar nunca mais. E lá estou eu a falar para ti outra vez, irra, deixa-me pensar sem estares sempre na minha mente. Agora tenho um nó ainda maior no meu peito que está vazio mas arde e dói. Sempre que me lembro que não vais voltar, o ar escasseia, as lágrimas surgem mais uma vez... e olha, eu lembro-me disto a cada segundo que passa.