Perder-te não estava nos meus planos - 27ªParte

Dirigi-me então para o quarto. Encontrei a porta encostada, ainda assim, bati antes de entrar.
'Posso Duarte?'
'Está aberta.'
Sentei-me à beira da cama, não transpareci qualquer tipo de expressão.
'Chega aqui por favor.' Pedi, quase ordenando.
Ele foi, agachou-se à minha frente.Sentio receoso por não saber o que é que eu ia dizer, se a minha reacção ia ser boa ou má, e acredito que naquele momento, ali, perante mim, mas sem dizer, claro, tenha chegado a duvidar que a atitude que há dias tomou para comigo, tenha sido a mais correcta.
'Parabéns meu amor, conseguiste!' Disse rapidamente enquanto envolvia os meus braços no pescoço dele.
'Assustaste-me. Desculpa-me.' Sussurou-me ele ao ouvido. Rápidamente se senta ao meu lado e delicadamente beija-me a testa.
'Desculpa não te ter contado, mas não fui capaz, tive medo de te perder no segundo a seguir.'
'Oh meu amor não digas isso, e não te preocupes com isso agora, é do teu futuro que nós temos de tratar.'
'Mas e nós?'
'Nós? Nós estamos aqui,agora, juntos Duarte e é o que mais importa. O que nos vai acontecer depois logo se vê.'
'Mas ainda não acredito que vou deixar isto tudo para trás! Tu, a minha mãe, todos..'
'Não é um deixar para trás, é sim uma nova fase da tua vida e não te esqueças que nós vamos cá ficar todos a torcer por ti, fica orgulhoso de ti mesmo!'
'Só que.. Só que eu não vou puder cuidar de ti.'
'Claro que vais meu amor, só vais estar um bocadinho mais longe, de resto fica tudo igual, eu prometo. '
'Mas não mereces ficar à minha espera durante tanto tempo.'
'Que parvoíce Duarte, isso nem se põe em causa, eu espero o tempo que tiver de ser.'
'Não é justo ficares pendente duma pessoa que está noutro país.'
'O que é que queres dizer com isso? Queres..pôr fim a tudo..?'
Ao ouvir as minhas própris palavras, fechei os olhos e as lágrimas escorreram-me pelo rosto inevitavelmente. Senti apenas a mão dele no meu rosto para me confortar e amparar a quedra abrupta das lágrimas para o chão.Não obtive resposta, mas instalou-se um silêncio que me estava a partir o coração aos pedacinhos, pedacinhos de vidro daquele fininho, que se alguém tentasse tocar, o mais certo era cortar-se. Senti-me a desmorenar por dentro.
'Oo-h Du-ar-ar-te.' Disse meia aos soluços do choro.
'Não é isso meu amor, estou só a pensar em ti e no teu futuro, mas sem mim.'
'Então se estás a pensar em mim, não digas isso por favor. Eu vou esperar o tempo que for preciso, e outra hipótese está fora de questão.'
'O que é que era de mim sem ti?'
Não respondei,olhei somente para ele, e abracei-o com toda a minha força.
'Não chores, vá lá.'
'Nunca te esqueças de mim, por favor.'
'Isso é impossível.'
'Estou muito orgulhosa de ti, és um grande homenzinho.', disse com voz ainda meia trémula.
(..)

1 comentário:

Sara'C disse...

Eles estão sempre a passar por grandes obstáculos e mesmo assim o amor vence!